Dúvidas Frequentes

O Boleto Protegido é uma tecnologia desenvolvida para proporcionar autenticidade e segurança nas transações financeiras através de boletos.
Sim. Nossa razão de ser é segurança, todos as funcionalidades da tecnologia foram pensadas e desenvolvidas para proporcionar a mais elevada segurança para os emitentes e cedentes.
Não. A função da tecnologia é garantir que o boleto emitido por uma empresa (Cedente) é o mesmo boleto que o cliente (Sacado) está pagando.
A tecnologia do Boleto Protegido realiza a autenticação dos boletos através do CNAB e do Certificado Digital (E-CNPJ/E-CPF) do emitente. Essa tecnologia é única e inovadora, com registro de sua patente no INPI.
Sim, desde que utilize o Certificado Digital para emissão dos boletos e utilize um dos bancos compatíveis com a tecnologia. Atualmente, a tecnologia está disponível para os principais bancos brasileiros.
Nada.O Boleto Protegido funciona como um portal de internet, você não precisa instalar nenhum software ou equipamento que você já não possua em sua empresa. Basta ter acesso à internet, login e senha e o Certificado Digital de sua empresa.
Não. Você pode utilizar a tecnologia para Boletos de qualquer valor.
Garantia de segurança. Muita coisa pode acontecer entre a emissão de um boleto até a chegada desse mesmo boleto ao seu destino. A tecnologia garante que o boleto que a sua empresa emitiu é o mesmo que está nas mãos do cliente..
Infelizmente não. A grande maioria das fraudes acontece com boletos registrados. Na verdade, a Febraban criou um meio para centralizar todos os boletos em um único banco de dados, permitindo alguns benefícios ao consumidor, como o pagamento de boletos em atraso sem a necessidade de emissão de segunda via. Isso não elimina a fraude em boletos, pois os boletos fraudados são, normalmente, verdadeiros. Ou seja, quando um fraudador emite um boleto ele se utiliza de um CNPJ existente, de uma Conta Existente e pode também registrar o boleto, tudo isso em nome de laranjas.
A utilização da tecnologia é bastante simples. Tudo pode ser feito pelo mesmo sistema que você utiliza atualmente, o mesmo arquivo que você envia para o banco para o registro dos boletos é o que será utilizado no Portal Boleto Protegido. Para se logar no sistema, é necessário possuir um Certificado Digital (E-CNPJ) válido.
Os boletos ficam disponíveis para consulta no portal da data do seu carregamento (emissão) até a data do vencimento do mesmo.
O Certificado Digital é um documento único e que exige a presença de um dos sócios para ser emitido. Por essa razão é muito difícil que ele seja fraudado, isso garante que a empresa que está carregando os boletos no portal é verdadeira.
Apenas a sua empresa e seu cliente. E o seu cliente terá acesso apenas aos boletos que foram emitidos em seu CPF ou CNPJ.
Sim. A tecnologia é compatível com qualquer software que faça o processo de cobrança e carteira bancária dentro dos padrões CNAB.
Não. O Boleto Protegido não tem nenhum acesso às contas bancárias das empresas que emitem os boletos.
Sim. O cliente pode emitir uma segunda via diretamente no portal.
Para os Emissores: Ver planos COMPATÍVEIS COM A NECESSIDADE DE CADA EMPRESA.
Para os Sacados: GRATUITO.
Para que você possa consultar boletos duas coisas são necessárias: a criação de um login e senha no Portal Boleto Protegido e a empresa que emitiu o boleto carregar o boleto no Portal.
Nada. Você pode consultar os boletos emitidos em seu CPF ou CNPJ gratuitamente. Basta criar um login e uma senha.
Por segurança. Precisamos ter a certeza de que quem está verificando os seus boletos é você mesmo, para evitar que fraudes aconteçam.
Para que o boleto possa aparecer na base do Boleto Protegido a empresa cedente deve cadastrá-lo no Portal. Você pode solicitar à empresa cedente para que comece a cadastrar os boletos no Portal ou entrar em contato conosco para que conversemos com a empresa.
Sim. Você pode baixar os boletos que estão cadastrados na base de dados Boleto Protegido, desde que a empresa emitente tenha carregado os boletos no Portal.
Apenas você terá acesso a todos os boletos que foram emitidos em seu nome. E, obviamente, a empresa que emitiu o boleto, mas nesse caso, de forma individual.